Pensando o movimento no treinamento físico personalizado: parte II

Pensando o movimento no treinamento físico personalizado: parte I
30/07/2015
Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física
08/03/2016
Mostrar todos

Seguindo o pensamento do artigo anterior, “Pensando o movimento no treinamento físico personalizado: parte I”, neste momento, desvendaremos estratégias de ação que podemos realizar no planejamento de programas de treinamento físico personalizado e na programação dos exercícios físicos funcionais. Lembrando sempre em dar ênfase e priorizar o pensamento de trabalhar o movimento humano.
Exploraremos um pouco, como desenvolver o movimento através de exercícios resistidos funcionais. Vamos pensar juntos: para fins de estudo do movimento, anatomicamente, dividimos o corpo em segmentos corporais: cabeça, tronco e membros (superior e inferior). Mas, isso só deve ser considerado para o estudo do movimento. Quando aplicarmos o conceito de movimento para a execução de exercício físico, deve-se levar em consideração que em qualquer atividade cotidiana, laboral e esportiva, utilizamos mais de um segmentos corporal ao mesmo tempo na mesma atividade.
Exemplificando, quando utilizamos a maioria dos equipamentos de musculação, separamos o segmento corporal que desejamos estimular. Por exemplo, na cadeira extensora enfatizamos a utilização de membros inferiores. E se continuarmos com a análise deste exercício (cadeira extensora) veremos que ele ainda utiliza apenas uma articulação para o movimento, os joelhos, e ainda, uma ação concêntrica do grupo muscular localizado anteriormente a região da coxa.
Voltamos ao pensamento de treinar o movimento… Isto pode ser pouco estímulo quando nosso intuito é aprimorar o movimento humano. Logicamente, não devemos, só por isso, negligenciar este tipo de exercício e equipamentos. Eles são muito úteis no início de um programa de treinamento, onde nosso cliente ainda não tem força e coordenação suficientes para realizar exercícios mais complexos. Porém, a medida que o programa de treinamento físico personalizado vai avançando, devemos implementar recursos de complexidade na execução dos exercícios para que esta atividade se assemelhe às atividades cotidianas, laborais e esportivas, aplicando aqui o conceito de transferência dos exercícios para o aprimoramento do movimento humano de nosso cliente.
O primeiro recurso que citarei é a execução de movimentos em mais de um segmento corporal no mesmo exercício. Desta forma, podemos utilizar exercícios com ênfase de membros inferiores juntamente com movimentos nos membros superiores e tronco.
Na prática… no exercício de agachamento pode-se incluir movimentos de flexão e extensão de cotovelos, por exemplo. O exercício ou movimentos selecionados deverão ir de acordo com o objetivo de cada cliente, características individuais deles, nível de treinamento e fase do programa de treinamento físico personalizado.
Essa é a primeira sugestão para iniciar o desenvolvimento do movimento humano.

Até breve!

Por Cássio Adriano Pereira