Triathlon: um relato de uma experiência de intervenção psicológica

Induction of Lymphocyte Death by Short- and Long-Duration Triathlon Competitions
08/03/2007
Performance no triathlon masculino: conhecendo as competições
09/04/2007
Mostrar todos

RESUMO

Este relato diz respeito a um trabalho de preparação psicológica realizada com triatletas. A psicologia esportiva abrange duas variáveis com um denominador comum: o interesse específico focado no atleta e o esporte por ele praticado. Cada modalidade esportiva tem sua especificidade, o psicólogo precisará se interar sobre esta, a fim de conhecer sua rotina de treinos, período de competição, pré-pós-competição. No treinamento psicológico há várias técnicas e instrumentos para auxiliar a melhoria do desempenho atlético, tais como: de motivação, relaxamento, redução de ansiedade, treinamento de ativação, concentração, autoconfiança, gerenciamento de stress. A preparação psicológica para o triathlon surgiu a partir das necessidades de um dos técnicos da equipe. Assim, realizaram-se algumas reuniões a fim de coletar: as expectativas do técnico em relação à psicologia e a preparação psicológica, o número, a idade e o sexo dos atletas, (14 atletas entre 13 e 28 anos, de ambos os sexos). Os instrumentos utilizados foram: o teste IDATE; o auto-informe POMS; o questionário QUATI – tipos psicológicos, o TPA – Teste da Pessoa Autônoma e entrevistas. Foram realizadas duas questões, a primeira era referente à extrema influência até nenhuma influência, das alternativas: influência dos pais, dos amigos, de outros profissionais/academia, do professor de educação física, mídia, por desejar status social, lazer, status financeiro e saúde/qualidade de vida; e a segunda questão era qual o seu objetivo no triathlon? Como objetivo principal foi encontrado: saúde/lazer/qualidade de vida seguida por competitividade e melhora de rendimento e auto-superação. Os resultados obtidos na primeira e segunda questão surpreenderam, pois o fator saúde/qualidade de vida aparece como o que mais influenciou os atletas a praticar o triathlon, sendo que competitividade e melhora de rendimento ficaram em segundo plano, mesmo se tratando de uma equipe competitiva. Percebeu-se que esses resultados viriam contra as expectativas do técnico, sendo preciso definir conjuntamente os objetivos da equipe e do técnico. Com os técnicos, foram feitas orientações baseadas no questionário, entrevistas e testes e se referia à importância de sua figura, o fortalecimento dos objetivos e a firmeza nas suas ordens.

Referêcia Bibliográfica
DESCHAMPS, S.R; CAPITANIO, A.M. – Triathlon: um relato de uma experiência de intervenção psicológica – http://www.efdeportes.com/ Revista Digital – Buenos Aires, ano 11, No. 106, p.1-8, 2007.